CULTURAS MONITORADAS

TEMPOCAMPO: Agosto foi marcado por baixo volume pluviométrico na maior parte da região agrícola do país

O mês de agosto foi marcado por baixo volume pluviométrico na maior parte da região agrícola do país, com chuvas não superando 30 mm no Centro-Oeste. Os maiores volumes foram registrados no norte do país, superando 180 mm no estado de Roraima e chegando a 90 mm no norte do Pará e do Amapá.

Como consequência, o armazenamento de água no solo se manteve baixo em toda a região agrícola do país, não superando 15% na região Centro-Sul. No Rio Grande do Sul o armazenamento de água no solo chegou a 75%, favorecendo o bom desenvolvimento das lavouras de inverno.

As temperaturas máximas oscilaram entre 22 e 25°C no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e sul do Paraná. Enquanto que, nos estado do Mato Grosso, Tocantins e Pará ficaram entre 33 a 35°C. As mínimas ficaram abaixo de 16°C em toda região Sul do país e em boa parte de São Paulo e Minas Gerais.

Tempo e agricultura brasileira

As chuvas registradas no início de agosto no estado do Espírito Santo induziram uma nova florada nos cafezais robusta. Porém, o clima seco e os fortes ventos que ocorreram no final do mês deixaram os produtores em alerta, mas não devem comprometer o bom estabelecimento da safra 2020/21. Por sua vez, em Rondônia, as condições são menos favoráveis. As flores que tiveram sua abertura induzida por irrigação sofreram danos causados por altas temperaturas e a incidência de radiação solar.

Segundo dados reportados pelo Departamento de Economia Rural (Deral) a colheita do milho safrinha no Paraná atingiu 96% da área plantada no estado. As lavouras que ainda restam no campo se encontram em fase de maturação, estando 69% em boas condições, 20% em condições média e 11% em condições ruins. Apesar do tempo seco da última quinzena de agosto, cerca de 1% da área projetada para a safra de verão no estado já foi semeada, sendo aguardado que as chuvas em volumes adequados previstas para o início de setembro possam favorecer o desenvolvimento inicial das lavouras.

As temperaturas mais amenas e o baixo volume de chuva trouxeram consigo condições adequadas para a ocorrência de Oídio, que atingiu as lavouras de trigo no sul do país. A ocorrência da doença foi resgitrada, principalmente, no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e nas regiões sudoeste e centro-sul do Paraná. Com temperaturas em torno de 15 a 22°C e o tempo seco, as condições foram favoráveis para infecção deste fungo (Blumeria graminis f.sp. tritici) que não necessita de molhamento foliar para sua infecção e colonização. Deste modo, se torna importante o monitoramento das lavouras no sul do país para reduzir o núemero de inóculo e possíveis danos nas lavouras que se encontram em bom desenvolvimento.

As baixas temperaturas dos meses de julho e agosto trouxeram perdas para os produtores de uvas da região de Marialva-PR, podendo causar grande impacto na safra 2019/20. Ainda assim, as podas estão ocorrendo como o planejado e é esperado que a safra seja finalizada na primeira quinzena de janeiro, caso as condições meteorológicas sigam favoráveis. O tempo seco também interrompeu as atividades de colheita e o plantio de mandioca, trazendo preocupação aos produtores que já haviam realizado o plantio nas semanas anteriores.

Safra 2019 de soja no norte do Brasil

As projeções geradas pelo Sistema TEMPOCAMPO para safra 2019 de soja apontam que as condições meteorológicas para a safra atual são mais favoráveis que as da safra anterior em grande parte do estado do Pará e no Amapá. O Coeficiente de Produtividade Climática (CPC-TEMPOCAMPO) indica que ganhos de até 10% podem ocorrer nesses estados. Enquanto que, no estado de Roraima, perdas de até 19% podem ocorrer, segundo o cenário intermediário.

A produtividade média para esses estados deverá variar de 2,88 a 2,98 kg ha-1, considerando os cenários pessimista e otimista, respectivamente. As maiores produtividades devem ocorrer no sul do Pará, variando de 3,2 a 3,4 kg ha-1. Já na região de norte de Roraima, Amapá e do Pará as produtividades não devem superar 2,8 kg ha-1 .

O Sistema TEMPOCAMPO prevê a produção para a safra 2019 de soja para a região norte do Brasil (Pará, Amapá e Roraima) entre 1,80 a 1,82 milhões de toneladas. Isso representa um aumento de 5,6% na produção desses estados, quando comparado com a safra anterior.

 

Para visualização dos mapas acessar: https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/clima/242068-tempocampo-agosto-foi-marcado-por-baixo-volume-pluviometrico-na-maior-parte-da-regiao-agricola-do-pais.html#.XXPq_yhKjDc

 

SOBRE

Sobre o TEMPOCAMPO

O SISTEMA TEMPOCAMPO-ESALQ é produto de diversos projetos de pesquisa na área de modelagem agrícola e agrometeorologia da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ) da Universidade de São Paulo (USP), que tem agora sua primeira versão operacional disponibilizada na forma de uma ferramenta de apoio à decisão para o setor privado e instituições públicas. Uma robusta infraestrutura computacional, alicerçada de amplos e consistidos bancos de dados climáticos para todos os estados brasileiros e avançados modelos calibrados para as condições específicas de cada ambiente de produção permitem antever com boa acurácia o efeito do clima sobre o desempenho das culturas ao longo da safra, buscando contribuir para reduzir a incerteza do mercado, subsidiar a indústria e nortear as ações de manejo dos produtores. 

A equipe do sistema trabalha atualmente para implementação de novas funcionalidades e aprimoramento de algoritmos para o monitoramento, geração e projeções de cenários futuros para a culturas do milho.  

PARCEIROS

×
Chat Online via:
Facebook Messenger
Contato
(19) 3447-8507